Textos

MELHORES TERCETOS DE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
MINIVERSOS

Tudo tem limite
exceto
o amor de Brigitte.

Tevê colorida
fará azul-rósea
a cor da vida?

Última atração na areia
do Leme:
a tiro, mata-se a baleia.

7 anos de idade.
Muro de Berlim
é eternidade.

Biafra: a guerra come
a safra
de sua própria fome.

Separatismo espanhol:
lado do escuro,
lado do sol.

Quem papa a pílula
poupa parto, papinhas,
porém perde parúsia.

Se o Papa ganha a Parada
você me garante
que a Amazônia será povoada?

Às doenças mortais
junta-se outra mais:
transparente.

Estruturas: afinal
serão reformadas
com soldo integral?

Bruxuleia o ciro votivo
a Nossa Senhora
do Facultativo.

O pintor a meu lado
reclama:
Quando serei falsificado?

A moda cigana
é passada a limpo
na Limpeza Urbana?

Cautela: em agosto
não vire o rosto
ao rei da vela.

No festival da canção
fica abafadinho
o ai da inflação.

A reforma universitária
prevê o curso
da reforma universitária.

O censor olhou-se
no espelho e censurou-o:
Que horror!


Carlos Drummond de Andrade in Amar se Aprende Amando

  

Em seu último livro, publicado após sua morte - FAREWELL - Drummond nos legou uma série de tercetos com a cara do poetrix: com título, máximo de 30 sílabas métricas, três linhas. Vejam:

TRANSVERBERAÇÃO DE SANTA TERESA (Bernini)

Visão celestial, doce delírio.
Da cabeça aos pés nus
êxtase (orgasmo?) relampeia.



CARNAVAL DE ARLEQUIM (Miró)

Descobri que a vida é bailarina
e que nenhum ponto inerte
anula o viravoltear das coisas.


AS TRÊS GRAÇAS (Rubens)

Curvilíneos volumes se consultam
e concluem:
Beleza é redundância.


PIETÁ (Miguel Ângelo)

Dor é incomunicável.
O mármore comunica-se,
acusa-nos a todos.


A DUQUESA DE ALBA (Goya)

Ser o cachorrinho da Duquesa
é de certo modo
ser uma partícula da Duquesa.
Poetrix
Enviado por Poetrix em 16/11/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários